Inicio
Saneamento
Casos de Sucesso
Jundiaí

Jundiaí

Estação de Tratamenteo de Esgoto - Novo HorizonteSaneamento básico é uma condição mínima e essencial que deve ser garantida a toda a população, proporcionando ao cidadão conforto mínimo, além de lhe garantir boas condições de saúde, qualidade de vida, educação e produtividade. Além disso, a importância e a necessidade do saneamento básico também se fazem presentes aos aspectos ligados a preservação do meio ambiente, em especial de rios, córregos, mares e mananciais.

Justamente da preocupação com o meio ambiente, especialmente com a despoluição do principal rio que cruza a cidade, que o município de Jundiaí, no interior de São Paulo, passou a olhar com mais atenção para os investimentos em saneamento básico. Há 15 anos, a Prefeitura de Jundiaí, que tinha como desafio cuidar do esgoto domiciliar da cidade, se uniu as indústrias de município, que tinham o desafio de tratar seus efluentes, para implantar a primeira Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) do País. A ETE foi inaugurada em 1998 e, com a eliminação de lançamentos nas redes de águas pluviais, houve redução na poluição do rio Jundiaí, que cruza o município.

Em um esforço que começou com a inauguração da ETE em 1995, e que teve continuidade no decorrer desses 15 anos com investimentos realizados pelas sucessivas administrações municipais, hoje o município de Jundiaí coleta, afasta e trata 100% do esgoto gerado em sua zona urbana. Trata-se de um investimento contínuo, feito pelas diferentes administrações municipais que já passaram pela cidade, para garantir a população o acesso à água tratada, coleta e tratamento dos esgotos.

Mesmo hoje, o município continua investindo na questão do saneamento básico, visando, principalmente, combater o combate a perda total de água, tanto física, quanto financeira; e também ampliando a abrangência de coleta, afastamento e tratamento dos esgotos para a zona rural da cidade; além é claro, de manter investimentos para a manutenção da rede no município e ampliação das redes para acompanhar a evolução do crescimento populacional.

Nos últimos três anos, os investimentos em saneamento básico no município alcançaram os R$ 115 milhões, sendo R$ 27,7 milhões em 2009; R$ 21,4 milhões em 2010; e R$ 65,8 milhões em 2011.

Estação de Tratamenteo de Esgoto - Novo HorizonteHoje, a gestão de saneamento básico do município é realizada através de uma Parceria Público Privada: a responsabilidade pelo sistema de saneamento básico é da DAE S.A. – Água e Esgoto, sociedade de economia mista cujas ações majoritárias pertencem à Prefeitura de Jundiaí -, que desenvolve atividades voltadas ao fornecimento de água, bem como a coleta e o afastamento do esgoto; Já o tratamento do resíduo e a disposição final dos esgotos domiciliares, comerciais e industriais são feitos pela Companhia de Saneamento de Jundiaí (CSJ), empresa que tem a concessão das operações da Estação de Tratamento de Esgoto de Jundiaí.

Para tornar a gestão de saneamento básico ainda mais eficiente e atender a legislação vigente (Lei 11.445/07), o município de Jundiaí também está trabalhando na elaboração de seu Plano Municipal de Saneamento Básico. Até o momento, segundo Wilson Roberto Engholm, Presidente da DAE, apenas a questão da destinação dos resíduos sólidos está concluída. Wilson garante, no entanto, que “o município cumprirá com a obrigatoriedade e determinação legal, no prazo estipulado”. Os municípios devem ter seus planos concluídos até 2014.

Wilson adianta que o plano municipal de Jundiaí visará a universalização do acesso ao saneamento básico: “É através deste plano que serão formuladas as metas e ações para alcançar a universalização dos serviços de água e esgoto do município, com a inclusão da zona rural, uma vez que a zona urbana já esta universalizada”, afirma.

População: qualidade de vida e reconhecimento dos esforços

O Presidente da DAE defende que os investimentos em saneamento básico representam mais qualidade de vida e mais saúde para a população. : “O trabalho contínuo realizado pela administração municipal como um todo, nos últimos 15 anos, elevou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Jundiaí, do 51 lugar para a 4 posição no ranking das cidades do mesmo porte”, afirma.
Wilson também cita dados referentes às internações em hospitais públicos de Jundiaí para mostrar que as internações por doenças ligadas à água contaminada são baixas: “Em 2011, foram registrados apenas 4 casos de internação motivados por diarreias; 2 por shiguelose, 7 por amebíase e 44 por doenças infecciosas intestinais não especificadas”. E ressalta que esses casos não são apenas do município: “A rede de saúde pública de Jundiaí recebe pacientes de pelo menos sete cidades da região”, afirma.

Com mais qualidade de vida e saúde asseguradas pelo acesso aos serviços de saneamento básico, a população reconhece os esforços das sucessivas administrações municipais por investir em saneamento básico. Segundo uma pesquisa realizada em 2011, 63,3% dos 605 entrevistados de 12 regiões do município estavam cientes de que Jundiaí ocupava, na época, a primeira posição do ranking Trata Brasil das cidades com melhor índice de saneamento básico, entre municípios com mais de 300 mil habitantes.

Veja as fotos

Estação de Tratamenteo de Esgoto - Novo HorizonteEstação de Tratamento de Água - AnhangabaúRepresa de Abastecimento - Parque da cidade

Copyright 2013 - Instituto Trata Brasil - Todos os direitos reservados.