Uberlândia

Uberlândia, uma das cidades mais importantes do triângulo mineiro, há anos aparece entre as 10 primeiras cidades no ranking do saneamento básico. Em 2018, por exemplo, figura como a 3ª colocada.

Atualmente, o índice de coleta de esgoto na cidade é de 97,23%; 76,44 é tratado. Além disso, o abastecimento de água na cidade ocorre para 100% da população. As perdas na distribuição de água em Uberlândia são de 25,20%.

  Indicador de atendimento total de água (%) Indicador de atendimento total de esgoto (%) Indicador de Esgoto Tratado por água consumida (%)
2013 100 97 92,89
2014 100 97,23 93,10
2015 100 97,23 98,00
2016 100 97,23 76,44

O INSTITUTO TRATA BRASIL ENTREVISTOU O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO (Dmae), RESPONSÁVEL PELOS SERVIÇOS NO MUNICÍPIO. LEIA NA ÍNTEGRA:

 

- Que esforços foram feitos na gestão do saneamento local que fez com que se chegasse a esta posição tão boa?

Ciente dos grandes desafios para garantir abastecimento adequado de água e tratamento de esgoto de qualidade, a Prefeitura de Uberlândia tem visto a questão do saneamento como prioridade ao longo dos anos. Para se ter ideia, por meio do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), mais de R$ 425 milhões foram investidos em saneamento básico (sistema de abastecimento e esgotamento sanitário) desde 2005. O trabalho responsável junto ao setor deve-se, sobretudo, ao entendimento de que uma cidade saneada proporciona mais qualidade de vida à população e potencializa a atração de investimentos que gerem emprego e renda. Portanto, água é um pilar essencial na garantia do desenvolvimento sustentável da cidade.

Os esforços prioritários na área podem ser verificados na prática. Hoje, por exemplo, 100% imóveis contam com água tratada e 98% do esgoto coletado e tratado adequadamente. O Município também está focado na ampliação do sistema de abastecimento, que hoje conta com duas estações de captação e tratamento em funcionamento (Bom Jardim e Sucupira). Ainda em 1995, a prefeitura idealizou um projeto para a construção de uma nova estação de tratamento e captação. O projeto foi retomado e financiado em 2012, durante o segundo mandato do prefeito Odelmo Leão (2008-2012), com a previsão de construção do Sistema Capim Branco, na represa Capim Branco (que tem 18 km² e pode chegar até 40 metros de profundidade). As obras seguem em estágio avançado e, quando concluídas integralmente, garantirão ampliação do sistema com água tratada para até 3 milhões de pessoas pelos próximos 50 anos. A primeira etapa deve ser concluída em 2019.

Outro ponto que vale destacar é que Uberlândia é a única cidade de Minas Gerais a figurar no rol de municípios brasileiros de grande porte (mais de 100 mil habitantes) que alcançaram as melhores pontuações da edição 2018 do ranking Universalização do Saneamento Básico da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária Ambiental (Abes). O levantamento divulgado em junho deste ano (2018) revela que a segunda maior cidade do estado integra a categoria Rumo à Universalização, destinada àquelas que atingiram mais de 489 pontos dentro dos índices de saneamento verificados.

Para compor o ranking, a pesquisa reuniu dados disponibilizados pelo Sistema Nacional de Informações de Saneamento (Snis), do Ministério das Cidades. Serviços como o de abastecimento de água, coleta de esgoto, tratamento de esgoto, coleta de resíduos e destinação adequada de resíduos sólidos foram avaliados. A verificação dos indicadores em Uberlândia garantiu 490,53 pontos para a cidade, num total de 500 possíveis.

Em dois quesitos específicos, abastecimento de água e destinação adequada de resíduos sólidos, Uberlândia atende em 100% a população. Já em relação ao esgoto, 98% dos imóveis contam com rede de esgoto. Os 2% restantes referem-se aos setores de chácaras, cujos proprietários são responsáveis por garantir infraestrutura nestes locais, conforme a lei de parcelamento de solo do município (Lei municipal 253/2011 e suas alterações).

 

- Quanto em investimentos foram feitos nos últimos 5 anos?

A Prefeitura de Uberlândia investiu mais de R$ 425 milhões em saneamento básico (sistema de abastecimento e esgotamento sanitário) de 2005 para cá. Somente em 2017, por exemplo, foram investidos mais R$ 86,4 milhões no serviço de água e esgoto enquanto em 2018 já são mais de R$ 40 milhões em investimentos. Parte do investimento foi aplicado na construção do Sistema Capim Branco, uma das maiores obras de saneamento básico do país. O montante refere-se somente aos investimentos, sem contar valores gastos com manutenção, dentre outros.

 

- O que você destacaria como os fatores mais importantes para esse avanço?

O saneamento é tratado como prioridade e os resultados foram obtidos graças a uma administração responsável e comprometida, que se baseia em planejamento para identificar e atender as demandas ao longo dos anos. Uma ação de revisão do Plano Diretor de Gestão Estratégica (PDGE) no ano passado permitiu, por exemplo, execução das obras necessárias para garantir melhorias no saneamento para o município, sendo uma delas a intensificação da construção da nova estação de captação e tratamento Capim Branco. Com metas definidas, é possível realizar uma gestão que busque recursos necessários para manter o serviço em alto nível e oferecer eficiência à população.

Outra frente importante de atuação que tem interferência direta na qualidade da prestação de serviços está relacionada à preocupação do Município em preservar os mananciais. Desde 2008, o Dmae realiza o Projeto Buriti, que visa a recuperação e a preservação de nascentes nas bacias do Rio Uberabinha, Rio Araguari e Ribeirão Bom Jardim. Esse trabalho é feito totalmente sem custo para os produtores rurais que aderirem ao programa. Nele, o departamento oferece gratuitamente o cercamento de áreas, a readequação de estradas e o plantio de mudas, dentre outros benefícios, para um trabalho objetivo de preservação do meio ambiente.

Em 2018, o Programa Buriti vai atender 16 propriedades rurais com construção de 50 mil metros lineares de cerca e o plantio de 65 mil mudas em áreas de preservação entre outros. Todo esse serviço é realizado sem custo para o produtor rural e visa a preservação e recuperação das nascentes na bacia dos rios Uberabinha, Araguari e ribeirão Bom Jardim. Em 10 anos de programa já foi realizado o plantio de mais de 300 mil mudas e 5 mil hectares de área protegidas.  A excelência do programa resultou na participação do Dmae no prêmio da Agência Nacional de Águas (ANA) cujo tema era “Ideias que o mundo precisa conhecer”.

Importante ressaltar que o esforço empreendido pelo Dmae já é reconhecido nacional e mundialmente. Para se ter ideia, em 2015, Uberlândia foi o único município brasileiro convidado a palestrar sobre as boas práticas de saneamento dentro do 7º Fórum Mundial da Água, realizado na Coreia do Sul. Já em 2017, 50 professores de universidades brasileiras e estrangeiras vieram conhecer o saneamento e a preservação ambiental realizados pela autarquia como parte das atividades do 6º Workshop Internacional sobre Planejamento e Desenvolvimento Sustentável de Bacias Hidrográficas (PDSBH).

 

Veja as fotos

(11) 3021-3143
tratabrasil@tratabrasil.org.br